Qual é a câmara que me recomenda? Esta é uma pergunta que me fazem recorrentemente e para a qual não existe uma resposta. Consoante a utilização que será dada, vamos ter dezenas de soluções que vão das compactas, com uma concorrência cada vez mais feroz dos telemóveis, até sistemas reflex que podem custar milhares de euros. O mais recente formato a entrar nesta corrida é o formato mirrorless, um híbrido entre a compacta e a reflex, trazendo um equilíbrio para o uso amador e profissional.

Antes de entrar pelas especificações das câmaras mirrorless, deixo um pequeno vídeo que fiz, de apresentação da Fujifilm X-T20, a câmara que me parece ser a resposta acertada para 99% das pessoas que me fazem a pergunta acima. Compacta, com um design retro, uma gama de lentes excelente, a Fujinon X  com vídeo 4K e 23 mp de resolução é a resposta ideal para quem quer qualidade, facilidade de uso e material portátil, ora vejam:

Apesar de apenas se ter ouvido falar nas câmaras mirrorless no mercado de grande consumo nos últimos três anos, este formato já tem pelo menos uma década no mercado profissional, tendo feito avanços significativos para chegar à oferta que temos hoje. Marcas com a Fujifilm, Sony e Olympus apresentam soluções bastantes interessantes.

O sistema mirrorless, como o próprio nome indica, carece de um espelho, permitindo diminuir significativamente o tamanho do corpo, mas esta ausência também fez o barulho do espelho a subir e descer no momento do click desaparecer, permitido a sua utilização onde queremos passar desapercebidos, como por exemplo em street photography.

Sara sabe melhor do que ninguém o peso que temos de levar para cada sessão :-)

Mas não é só o tamanho a principal diferença entre uma mirrorless e uma reflex, o seu design retro que nos transporta ao passado, remetendo a modelos como a Canon AE-1 ou a Nikon FM2, faz com que sejam ainda mais apetitosas. 

Não nos deixemos enganar pelo tamanho e a carcaça retro, são câmaras dotadas de transferência de ficheiros por wireless para o telemóvel ou tablet, controlo remoto da câmara também através destes dispositivos, fotografia com excelente resolução, vídeo a 4K e a tecnologia mais recente de focagem e sensibilidade ISO. 

Só as características acima já fazem dela o substituto ideal das câmaras compactas e dos telemóveis, pois permitem utilizar uma vasta gama de lentes, grandes aberturas e ao mesmo tempo alimentar as nossas redes sociais sem a necessidade de um computador.

Mas nem tudo são rosas, as câmaras mirrorless apresentam um passado recente, havendo um mercado de lentes e acessórios mais reduzido que as reflex, um consumo de bateria mais elevado e no que toca a preço das lentes, não acompanha o tamanho das mesmas.

Uma vez feita a introdução a este formato, vamos ver tópico a tópico.

Tamanho

A redução do tamanho e consequentemente do peso não são apenas uma questão de portabilidade, que por si já assume um peso importante na escolha deste formato, mas traz consigo uma redução na distância entre o sensor e o encaixe de lentes

Esta distância determina a arquitetura das lentes por marca e impossibilita a utilização, através de adaptadores, de certas lentes de uma marca num corpo de outra marca. Por exemplo, a distância das Nikon F são 46,5mm e a das Canon EOS 44mm, não permitindo utilizar um adaptador de lentes Canon para Nikon (sim, todos já tivemos aquele sonho de usar a Canon 50mm f/1.0).

As boas notícias é que ao ser a distância menor, podemos através de um adaptador, utilizar as nossas lentes de formato DSLR numa mirrorless, perdendo apenas o foco automático e fazendo a devida conversão da distância focal e abertura consoante o tamanho do sensor.

Se gosta de foco manual e tem um bom espólio de lentes, procure os adaptadores e no caso de ter alguma questão, não hesite em procurar ajuda especializada.

Sensor

Muito se fala hoje em dia no tamanho do sensor, talvez até bastante mais do que se deveria, sendo na maioria dos casos um fator secundário face a outras condições a avaliar ao adquirir material. Mas voltando ao que interessa, quando falamos em distâncias focais e aberturas, podemos cair em erro ao achar que uma 50mm f/1.4 APS-C equivale a uma 50mm f/1.4 full frame.

No caso da Fujifilm X-T20, onde o sensor é um 23.6mm x 15.6mm(APS-C), uma lente 35mm f/1.4 equivale a uma 52,5mm f/2.1. Desta forma, quem vem do full frame ou de qualquer outro formato, pode assim perceber e equiparar as lentes que pretende, não caindo no erro acima mencionado. A aplicação mmCalc ajuda nessas contas.

Viewfinder

O viewfinder, ou o visor, é provavelmente a maior diferença entre uma câmara DSLR e uma mirrorless. Enquanto que a DSLR, através e um jogo de espelhos, permite-nos ver através da lente, tecnologia denominada TTL (through the lens), uma mirrorless utiliza um visor electrónico, denominado EVF.

A grande vantagem do EVF é que já vemos através do visor as condições em que vamos fotografar, através da abertura, ISO e distância focal escolhidas. Isto é excelente para quem se está a iniciar na fotografia e pode assim esquecer o fotómetro, o maior dos pesadelos nesta etapa.

O modelo X-T20 por exemplo conta com simulação de película, introduzindo as tonalidades e ruído do filme, com películas como a Provia, Velvia ou o preto e branco ACROS, e neste formato já são visíveis na pré-visualização do que vamos fotografar.

Tanto a utilização do EVF ou do LCD são possíveis, permitindo fotografar através do EVF como utilizando a câmara a uma distância maior e observar através do LCD, ideal para realizar planos em movimento em vídeo.

As desvantagens desta tecnologia são claramente o consumo de bateria e o pequeno delay entre o que se está a passar e a respectiva "filmagem" e reprodução no EVF ou LCD para quando vamos fazer o click.

Auto Foco

As câmaras DSLR utilizam a tecnologia de deteção de fase enquanto que a maioria das câmaras mirrorless utilizam foco por contraste.

A grosso modo, a focagem por deteção de fase tirar partido do espelho, dividindo a luz que entra pela objetiva num par de imagens e comparado as mesmas. Quando em foco, a luz de ambos os lados da lente converge para criar uma imagem focada. No entanto, quando não está em foco, as imagens projetadas pelos dois lados da lente não se sobrepõem, estando fora de fase.

A focagem das mirrorless por outro lado avaliam o contraste entre pixels adjacentes e vai ajustando o foco até encontrar o maior contraste possível. Esta técnica tem a desvantagem de ser mais lenta e ter maior dificuldade em condições de pouca luz que a deteção de fase.

Video

No que toca a vídeo, podemos dizer que tanto as DSLR como as mirrorless estão taco a taco. Na sua maioria grava em HD, algumas em 4K com uma qualidade impressionante. 

As mirrorless já contam também com saída HDMI, permitindo visualizar em monitor em tempo real.

É raro ver um videografo a trabalhar com DSLR e acredito que em grande parte se deve a portabilidade do material. Filmagens podem ser extenuantes, mas transportar todo o equipamento envolvido pode ser uma tarefa ainda mais ingrata. Ora vantagem que observo no tamanho reduzido é poder colocar as câmaras nos lugares mais improváveis e obter assim planos diferentes.

Wireless

Tanto as DSLR como as mirrorless contam com esta tecnologia embebida nos modelos recentes, no entanto ainda utilizo equipamento externo nas minhas Nikons D800, D3 ou D700, pois na altura do seu lançamento era um acessório.

As redes sociais são uma realidade que não podemos negar, quer para uso pessoal como profissional, com frequência vejo-me em situações onde a partilha imediata é um requisito. Se assim não fosse, o telemóvel não teria sido alvo de tanto desenvolvimento a nível óptico, no entanto e por condições físicas, nunca será possível obter imagens com um bokeh ou qualidade de foco como numa câmara.

Há outra característica importante na ligação da câmara aos dispositivos móveis, a possibilidade de controlar remotamente a câmara, permitindo filmar ou fotografar em locais improváveis, ou à distância, deixando de assustar a nossa presa.

A selfie certamente irá ganhar novos contornos com esta tecnologia, mas acima de tudo, o fotógrafo da família pode aparecer nas fotos, deixado de estar ausente no álbum de família.

No próximo sábado, dia 18 de Novembro, vou estar com a Ana Lemos do Blog Cacomãe na Colorfoto a apresentar a Fujifilm X-T20, a câmara ideal para a fotografia de família.

No vídeo a seguir a Ana apresenta algumas das características desta máquina que pode vir experimentar este Sábado. A Fujifilm conta com uma campanha de reembolso de Natal que pode consultar aqui entre outras novidades que vamos apresentar no Sábado, apareçam!

Toda a informação sobre o evento está disponível no facebook aqui.

No âmbito do 4º Congresso de Empresas DNA Cascais que abre a Semana Global do Empreendedorismo que decorre de 13 a 19 de novembro em Cascais, fui convidado a apresentar os serviços d'Os Retratistas, projecto onde desenvolvo retratos com fins profissionais, tanto para empresas como para consumidores finais.

Não é novidade para ninguém o poder que as redes sociais exercem enquanto ferramenta de influencia na sociedade, no entanto muitas vezes é minimizado o seu impacto como fator de decisão na contratação de recursos e serviços.

Basta olhar para algumas estatísticas do LinkedIn, para perceber essa importância, entre elas que 80% das leads B2B têm origem nesta rede e que em media são consumidos 10 conteúdos dessa empresa/serviço antes de ser tomada a decisão de fechar o negócio.

Mas acima de tudo, estamos a viver a era de confiança, onde há uma oferta global e o fator preço ou características do serviço já não são os únicos fatores de decisão ou de maior peso. A confiança tornou-se o pilar central da oferta e esta assenta nas pessoas.

Quando falamos de confiança, estamos a falar de psicologia, de como interpretamos um retrato, como conseguimos evidenciar pormenores que destacam qualidades positivas e colocar e mitigar elementos que são conotados como pontos fracos.

Num estudo recente concluiu-se que ao observar um retrato retiramos conclusões sobre as características da pessoa em menos de um segundo, 40 milissegundos mais concretamente. Despistando as condições de cenário e iluminação, que já por si são importantes para um bom retrato, este estudo avalia como identificamos características tais como ser extrovertido, competente, criativo, afável, maldoso, confiável e inteligente só com base em expressões faciais. 

Basta avaliar os exemplos acima para verificar que qualquer pessoa consegue identificar essas características com base na expressão. 

O fotógrafo Alfred Eisentaedt descreveu melhor do que ninguém, que um bom retrato é fazer o click com a pessoa e não com a máquina. 

Infelizmente não se da a importância necessária a o realizar um retrato para a nossa apresentação e no entanto pode ter sido o fator de decisão para hoje não estar com um emprego melhor, com novos clientes ou melhores condições.

Para obter um bom retrato, a primeira tarefa é conhecer um pouco do nosso cliente, desde o objetivo da foto, onde será aplicada e a quem queremos atrair com ela. Para o efeito a troca de e-mails inicial, uma reunião e até mesmo os primeiros instantes da sessão fotográfica são fundamentais para criar essa relação. 

Previamente à sessão devemos dar consultoria na indumentária a utilizar na sessão, pois apesar de não ser o motivo de escolha da nossa candidatura entre outras, pode ser o elemento de distração e que a classifique como rejeitada à partida. 

Voltando ao estudo, aquilo que não é assimilado nos primeiros 40 milissegundos pode não ser mais assimilado. Cores saturadas, padrões ou bijuteria em excesso podem esquivar o nosso olhar de identificar as características de confiança e automaticamente relegar o candidato ou prestador do serviço a um segundo plano. Quando ouvimos este candidato não me inspira a mesma confiança que o anterior ou o meu sexto sentido diz-me que não é a pessoa correta, são a prova que não foi possível identificar essas características.

No passado dia 30 de Outubro fizemos a cobertura do evento Estrella Damm Gastronomy Congress em Lisboa. O trabalho realizado contemplou a cobertura e retratos dos 6 Chefs convidados, somando um total de 9 estrelas Michelin.

Não é brincadeira, a Fujifilm tem uma campanha de reembolsos a vigorar de 12 de Outubro até 15 de Janeiro de 2018 onde pode vir a ter um reembolso de até 200 euros.

Consulte os termos e condições da campanha através do website da campanha. A seguir listo o equipamento disponível através da campanha, assim como o valor aplicável.

Confesso que as sessões de Natal já não me empolgavam como em anos anteriores. Apesar da procura ser grande, sentia ter esgotado as ideas para sessões em ambiente de estúdio. Já fotografei em lojas, estúdio, hotéis, procurando sempre diversificar, aportar algo novo de ano para ano. Este ano resolvi arriscar algo diferente, trazer ao imaginário das crianças aquilo que mais é associado ao Natal, graças as campanhas de comunicação de marcas e produtos: a neve.

Desafiei a Ana Lemos e as 3 C's para uma sessão e o resultado foi muito acima do que tinha em mente, ficaram radiantes com a possibilidade de ver neve, trazendo para a sessão expressões de pura alegria. Podem ver o resultado em primeira pessoa no link do blog Cacomae - http://cacomae.pt/cai-neve/

O tipo de sessão difere da típica sessão de Natal, de fundos claros, grande bokeh e posturas para o retrato, passando para fotos com um cunho mais emocional, do contacto com a neve. Os cenários vão ser de exterior e minimalistas, estando todo o foco na indumentária da família, que deve ser de inverno, para fazer sentido na foto.

A sessão contempla 10 fotos editadas e tem um custo de 90 euros, sendo executadas de 30 em 30 minutos por família. As primeiras sessões vão ser os dias 11 e 12 de Novembro, dia 11 no Hotel Pestana Palace, em Lisboa e dia 12 no Hotel Villa Italia em Cascais.

As reservas devem ser realizadas por e-mail para info@paustorch.com e vão obedecer a disponibilidade de horário e ordem de chegada dos pedidos.

27 de Janeiro e 3 de Fevereiro // Cascais // 12 vagas // 200 eur // Vouchers físicos disponíveis

27 de Janeiro e 3 de Fevereiro // Cascais // 12 vagas // 200 eur // Vouchers físicos disponíveis

O Adobe Lightroom é um programa de edição de imagens e gestão do arquivo fotográfico, simples e intuitivo, pensado para o trabalho de fotógrafos amadores e profissionais. O software oferece tudo de que os fotógrafos precisam para organizar, aperfeiçoar e compartilhar suas imagens em um único pacote simples, organizado e intuitivo.

AUDIÊNCIA

Este workshop é de nível intermédio e destina-se a fotógrafos profissionais ou amadores que já têm conhecimentos de utilização do programa.


OBJETIVOS

O intuito deste workshop é dar uma visão global sobre os procesos de catalogação e workflow desde a importação das fotografias até à selecção final.

PROGRAMA

DIA 27

10:00 Boas-vindas

10:30 - 13:00 Introdução ao Lightroom

Almoço

14:30 - 17:00 Importação, workflow de seleção (módulo Library) 

17:00 - 18:00 Exercícios práticos 

DIA 3

10:00 - 12:00 Edição de fotografia (módulo Develop) 

12:00 - 13:00 Exercícios práticos Almoço 

14:30 - 16:30 Exportação e templates 

16:30 - 18:00 Módulos book, slideshow, print e web

13 e 20 de Janeiro // Cascais // 12 vagas // 200 eur // Vouchers físicos disponíveis

13 e 20 de Janeiro // Cascais // 12 vagas // 200 eur // Vouchers físicos disponíveis

AUDIÊNCIA

Entusiastas da fotografia e fotógrafos amadores que procurem assentar as noções básicas de fotografia, manipulação de uma máquina fotográfica, assim como do workflow de edição. A audiência deve estar familiarizada com uma DSLR e ter equipamento próprio e um computador portátil.

OBJETIVOS

Este workshop de nível introdutório visa introduzir os conceitos básicos de composição, enquadramento e composição. A vertente prática será realizada com a família como elemento de captação.

PROGRAMA

DIA 13

10:00 Boas-vindas

10:30 - 13:00 Teoria da fotografia e composição Almoço 

14:30 - 17:00 Operar a máquina fotográfica 

17:00 - 18:00 Exercícios práticos: fotos em interior 

DIA 20 

10:00 Introdução workflow digital 

11:00 - 13:00 Exercícios práticos: sessão em exterior 

 Almoço 

14:30 - 17:00 Workflow e edição de fotografia 

17:00 - 18:00 Esclarecimento de questões e avaliação de conhecimentos adquiridos

Nos últimos meses tirei uma série de retratos com um elemento determinante e comum a todos eles: o blackout.

A ausência de fundo altera a nossa percepção, a forma como o retratado comunica a sua imagem e destaca elementos que, de outra forma, passariam despercebidos a todos.

Essa ausência, retirando elementos de distração, permite uma melhor análise da composição, da expressão ou texturas do retratado e do seu retrato como um todo.

Permite um exercício de reflexão e auto análise sobre o que a comunicação não verbal nos diz dos retratos e dos retratados, sobretudo, nas interações sociais.

Nos próximos dia 21 de Setembro em Cascais e 9 de Outubro no Porto, terão lugar os Open days Blackout sessions. Estas sessões são precedidas de maquilhagem e terão a duração aproximada de 30 minutos de shooting. Ao longo da sessão vamos, eu e o retratado, construir retratos e desconstruir imagens seguindo este modelo.

Funcionamento: A sessão fotográfica é individual, precedida de makeup e terá apoio e aconselhamento prévio na seleção das mudas de roupa ao longo da sessão, se assim o desejar. Receberá 5 fotografias editadas em formato digital no prazo de dez dias úteis e o valor da sessão é de 125,00 euros.

Pode solicitar disponibilidade de horários ou colocar mais questões através dos contactos: info@paustorch.com ou por mensagem privada de facebook http://facebook.com/paustorchphotography/

Horários e agendamentos: As sessões individuais decorrem das 9:00 às 18:00. Cada sessão é marcada de 30 em 30 minutos, com uma duração aproximada de 30 minutos. O número de vagas são limitadas e agendadas previamente através dos contactos: info@paustorch.com ou por mensagem privada de facebook http://facebook.com/paustorchphotography/

Métodos de Pagamento: O pagamento é realizado no acto da reserva, através de referência multibanco. 

21 de Setembro Cascais: Rua da Palmeira 39, 2750-642 Cascais. Devido à sua localização no centro de Cascais, os lugares de estacionamento são muito limitados. Aconselhamos, por isto, que utilize o estacionamento pago do Cascais Villa ou o da estação, ambos a 200 metros do estúdio.

9 de Outubro Porto: Centro Empresarial do Porto, R. Eng. Ferreira Dias 161, Porto. 



18 e 25 de Junho // Cascais // 10 vagas disponíveis // vouchers disponíveis

AUDIÊNCIA

Entusiastas da fotografia e fotógrafos amadores que procurem assentar as noções básicas de fotografia, manipulação de uma máquina fotográfica, assim como do workflow de edição. A audiência deve estar familiarizada com uma DSLR e ter equipamento próprio e um computador portátil.

OBJETIVOS

Este workshop de nível introdutório visa introduzir os conceitos básicos de composição, enquadramento e composição. A vertente prática será realizada com a família como elemento de captação.

PROGRAMA

DIA 18

10:00 Boas-vindas

10:30 - 13:00 Teoria da fotografia e composição
Almoço
14:30 - 17:00 Operar a máquina fotográfica
17:00 - 18:00 Exercícios práticos: fotos em interior


DIA 25

10:00 Introdução workflow digital
11:00 - 13:00 Exercícios práticos: sessão em exterior
Almoço
14:30 - 17:00 Workflow e edição de fotografia
17:00 - 18:00 Esclarecimento de questões e avaliação de conhecimentos adquiridos

15ª campanha anual de recolha de sangue do IPST e da Mundicenter

15ª campanha anual de recolha de sangue do IPST e da Mundicenter

Este ano é a música que dita o compasso da 15ª campanha de recolha de sangue do Instituto Português do Sangue e Transplantação e da Mundicenter. Carminho e Tiago Bettencourt não dão apenas música, dão vida. Tal como a música que lhes corre nas veias, como os grandes sucessos que partilham com os portugueses, Carminho e Tiago Bettencourt juntam-se pela dádiva de sangue.

Todas as vidas precisam de uma banda sonora, mas alguma delas precisam urgentemente de quem lhes dê o que pulsa a cada melodia: sangue. “No meu sangue há o melhor de mim para si” é a assinatura que os músicos embaixadores deixam na 15º campanha de apelo e sensibilização para a dádiva de sangue. Com uma voz e uma única dádiva, todos podem salvar até 3 vidas. A campanha de 2016 está presente em imprensa, on-line e materiais de comunicação internos dos shoppings, tendo também sido criada uma estratégia de RP que pretende levar mais pessoas a dar sangue este ano.

Durante os 14 anos de campanhas de recolha de sangue nos shoppings da Mundicenter, 27.080 pessoas registaram-se como dadoras de sangue, foram obtidas mais de 18.000 unidades de sangue e ajudadas mais de 55.500 pessoas.

A campanha resulta de um trabalho conjunto entre a agência de Comunicação ONMI Partners (www.onmi.pt) e a agência criativa Milford (www.milford.pt), ficando a fotografia nas mãos do fotógrafo Pau Storch, dos Retratistas (www.osretratistas.com).

Fotografar para ajudar. Leia e participe!

A crise dos refugiados da Síria não deixa ninguém indiferente. Com um país em guerra há mais de quatro anos, as famílias sírias não encontram outra saída que não a fuga desesperada pelo mediterrâneo em direcção à Europa. São milhares que arriscam as vidas, em condições desumanas, não por uma vida melhor, mas sim pela esperança da sua sobrevivência!

Pelas crianças, principais vítimas em qualquer situação de conflito ou crise, um grupo de fotógrafos de família, resolveu unir-se numa acção de angariação de fundos simbólica. Nós lidamos, todos os dias, com famílias e crianças felizes. Por isso, faz todo o sentido podermos usar o nosso tempo e trabalho para ajudar, pouco que seja, aquelas crianças que estão a passar por condições impossíveis. Por isso, cada um de nós irá leiloar uma sessão fotográfica, em que 100% do valor licitado será doado à UNICEF.

E como é que tudo vai funcionar?

Cada fotógrafo está a oferecer um voucher para:

-Sessão fotográfica (bebé, criança ou família) duração de 1h-1h30

-Entrega das imagens em suporte digital (CD ou USB)

-Validade do voucher: 6 meses a partir da data do donativo

-Base de licitação: 150€

As famílias interessadas em fazer a sessão devem comentar este post com o valor da sua licitação. Ou em alternativa procurar um dos colegas associados e licitar no post idêntico da respectiva página. Terão até ao dia 18 de Setembro para o fazer e, no final, a família que licitar o valor mais alto vence o seu leilão (podem licitar as vezes que quiserem para cobrir o valor anterior; cada nova licitação deverá ter pelo menos um valor de 5 euros superior à mais alta). Uma vez o leilão terminado, o fotógrafo entra em contacto com a família.

Uma nota importante:

O pagamento do valor acordado será feito directamente pela família à UNICEF e o comprovativo do donativo enviado ao fotógrafo. Somos 30 fotógrafos a participar nesta iniciativa espalhados por todo o país. Juntos e em conjunto com as "nossas" famílias, esperamos conseguir ajudar a mudar o mundo... nem que seja o mundo de uma criança.

Pode licitar na inha página de facebook https://www.facebook.com/paustorchphotography ou na página de outro fotógrafo que participe nesta iniciativa, nomedamente:

TALES OF LIGHT / DREAMAKER / ANA PRATAS / DANIELA SOUSA / PICPUFFIN / CV LOVE / PAU STORCH / AFTERCLICK / SHOT / MATILDE ALÇADA / MAGMA / TÂNIA AFONSO / HUG / THE RED FLYING DUCK / I HEART YOU / ISABEL SALDANHA / MARISA MARTINS / ILIANA PEÑA / LITTLE PEOPLE BIG SMILE / TIESPHOTO / TERESA NOÉME / BRÍGIDA BRITO / SUSANA SCHMITZ / SÓNIA BRITO / MATE / AZUL BEBÉ / ARTE MAGNA / KALIJADE / MARIANA MEGRE / MARY JANE PHOTOGRAPHY


Estive 4 dias na ilha de S. Miguel para fotografar o espetáculo de ballet intitulado "REVELAÇÃO" que teve lugar no Teatro Municipal Ribeiragrandense, assim como fotografar algumas sessões de família.

Apesar de estar a fotografar 3 dos 4 dias na ilha e ter muito material para editar, não poupei energias e fomos visitar e revisitar os locais, vistas e sabores que o escasso tempo nos permitiu.

A pedido de muitos amigos deixo alguns spots e dicas para tirar o máximo proveito do que já conheço da ilha.

Ainda não foi desta que tivemos tempo para ver o forte de S. Brás, As Portas do Mar, os hotéis de charme da ilha ou outros espaços urbanizados pelo que continuamos a privilegiar os espaços naturais e a gastronomia local.

Locais a visitar

Fábrica dos Licores A mulher do Capote na Ribeira Grande. A visita deve passar pela fábrica, e não podem deixar de provar o famoso licor de maracujá ou o mais recente licor de arroz doce que é servido frio e com um bocadinho de canela e é uma verdadeira maravilha.

Caldeira Velha, fica na subida para a Lagoa do Fogo, banhos de água quente tipo jacuzzi. Atenção que tem dois níveis, o mais baixo com água a 40 graus e o mais alto com água mais fria, mas uma cascata espetacular.

Lagoa do Fogo – Dispensa apresentações. Se quando subirem estiver céu nublado, não desanimem e esperem mais um pouco que pode ser que tenham sorte. Nós tivemos ☺

Lagoa das Sete Cidades - Mais importante que visitar a lagoas, é escolher os melhores spots para apreciar as lagoas. A vista do Rei é um local que permite apreciar bem a vista da lagoa das Sete Cidades, mas recomento vivamente a Lagoa do Canário, onde existe um miradouro que permite ver as lagoas e o mar. A caminho é possível observar o estreitamento da ilha, tendo na mesma foto Ponta Delgada e a Ribeira Grande.

Furnas – Visitar e comer milho cozido e bolo levedo

Parque Terranostra – Uma piscina enorme com água quente, quente. É muito bom estar dentro de água quando está a chover ou um pouco mais fresquinho. Atenção aos fatos de banho!

Poça da Dona Beija – Não fomos mas também nos foi muito recomendado.

Praia de Santa Bárbara - Ribeira Grande. O motivo é mesmo pessoal, gosto de revisitar esta praia e fazer fotos com a Carolina. Tenho indicações que as melhores praias são as da Ribeira Quente, Pópulo e Praia dos Moinhos.

Passear pela costa sul, visitar vila franca do campo e comer as queijadas (no verão dá para visitar o ilhéu da Vila Franca) em água de pau, descer até ao Porto da Caloura, é lindo.

Ir até ao Nordeste, tem miradouros lindos (para variar), nós tivemos pouca sorte com o tempo que estava chuvoso e enublado. Acho que tem o nascer do Sol mais bonito da ilha ☺

Gastronomia

Cantinho do Cais - S. Brás. Foi o primeiro local onde voltámos a ser felizes, a meia dúzia de kms da Ribeira Grande. Fomos recebido em grande por amigos e pelo Sr. Jorge, com lapas, cracas e peixe local. A não perder a sopa de peixe e o molho de peixe ( parecido com a nossa caldeirada). Em 4 dias fomos lá 3 vezes… por isso imaginem ☺

O Silva - Ribeira Grande. Outro clássico das visitas. Bife à Silva, lapas e marisco. Sem esquecer daquela entrada de queijo fresco com pimenta da terra.

Alcides - Ponta Delgada, É conhecido pelos bifes com pimenta da terra e batatas caseiras. Maravilhoso.

Associação Agrícola em Rabo de Peixe, não fomos mas foi-nos altamente recomendado.

Ah, vinhos, Maçanita e Frei Gigante, estúpidamente gelados ;)

Hoje o Santi faz 3 anos, o tempo passa a correr. Fica o registo com um best of dos 50 Instas de Santi

"O silêncio é a minha maior tentação. As palavras, esse vício ocidental, estão gastas, envelhecidas, envilecidas. Fatigam, exasperam. E mentem, separam, ferem. Também apaziguam, é certo, mas é tão raro! Por cada palavra que chega até nós, ainda quente das entranhas do ser, quanta baba nos escorre em cima a fingir de música suprema! A plenitude do silêncio só os orientais a conhecem." - Eugénio de Andrade

"Prometo Falhar" não sai dos tops há mais de dez meses e entra agora na 21ª edição - 85 mil exemplares. Parabéns Pedro, parabéns Marcador.

Este é meu site, depois de matutuar no assunto, achei que era o momento de partilhar o trabalho que faço e não se enquadra na Magma, o meu estúdio de fotografia com a Sofia.

Não se trata de uma carreira a solo, apenas de mostrar que a fotografia de retrato, a minha paixão, pode assumir outros contornos que não o da família. Também pretendo usar este espaço e a página de facebook como bloco de apontamentos para ir escrevendo ideias, partilhar e comunicar aquilo que me inspira.

Espero que gostem e tenham prazer em acompanhar-me neste novo canal de comunicação. Até já!